Nota de esclarecimento

(Esta nota diz respeito à polêmica gerada a partir deste post. Sem acesso há alguns dias à nossa página facebook por razões técnicas, não pudemos nos exprimir diretamente na rede social.)

 
Caros/as,

 
Viemos em nota fazer alguns esclarecimentos sobre o ocorrido, para que qualquer interpretação, por mais politizada que seja, parta de fatos concretos.
 
No evento, intitulado « La dictature militaire au Brésil : images, récits et cinéma », não está prevista somente a projeção do documentário Retratos de identificação, mas também a apresentação de dois livros, com a presença dos autores: L’exil ouvrier, de Mazé Torquato Chotil, e Genre et dictature dans le cinéma brésilien, de Alberto da Silva. Ao final está previsto um debate em torno do tema e das três obras.
 
Em um primeiro momento, a ideia não era que o evento acontecesse na Embaixada. Entramos em contato com eles pela primeira vez sobre o assunto, para sondar a possibilidade de realizar o evento na sala Villa Lobos, na sexta-feira dia 6 de maio. Nessa ocasião, o meu contato na embaixada me indicou a disponibilidade da sala no dia 31 de maio, mas nada ficou acertado, pois eu devia, antes, enviar um email com detalhes sobre o evento, o que só foi feito na semana passada. Em resposta, ele me disse que se tratava de uma proposta interessante, mas que, para confirmar a possibilidade de a Embaixada acolher o evento, devíamos aguardar uma resposta definitiva de seus superiores, os únicos que poderiam “bater o martelo”.
 
No final da semana passada eu recebi uma ligação da parte da Embaixada, informando-me que não seria possível realizar o evento por lá. Os motivos alegados foram a pouca antecedência com a qual eu fiz o pedido para uso da sala, o que nos deixaria um tempo de divulgação insuficiente, e o fato de o embaixador já ter uma participação prevista em outro evento, marcado para o dia 26 de maio no IHEAL, que tratará sobre a Comissão da Verdade. Disseram-me que tomaram a decisão de não participar, em datas tão próximas, de dois eventos sobre esse “assunto sensível”.
Ao mesmo tempo, a pessoa me deixou claro que a Embaixada poderia ter um papel ativo na organização de um evento como esse, inclusive ajudando na programação e na elaboração do flyer, se a coisa fosse combinada com mais antecedência. E até me passou o email da organizadora do evento do dia 26 de maio, caso quiséssemos entrar em contato para talvez organizar algo em conjunto.
 
(Cabe aqui, pois, ressaltar, com base no discorrido acima, que, no post inicial na página do filme, foi impreciso o emprego dos termos “cancelamento” e “assunto ‘espinhoso’”.)
 

Felizmente, não faltam espaços em Paris para podermos organizar o evento, e isso já está sendo encaminhado. Estamos convencidos de que a iniciativa pode ser muito enriquecedora tanto para o público brasileiro como estrangeiro. Ao nosso entender, ainda há em nossa sociedade diversas interrogações quanto ao tema da ditadura militar, e é precisamente por isso que ele deve ser tratado e discutido à exaustão. Sempre, claro (independentemente do tom crítico que possa ser adotado), baseado em fatos históricos.

 
É nesse sentido que decidimos organizar o evento, e é nesse mesmo espírito que o Instituto Cultural Alter’Brasilis propõe os diversos eventos de sua programação, contribuindo para o acesso à cultura e à informação e estimulando o debate.
 
Esperamos que os esclarecimentos acima contribuam para uma melhor compreensão da situação e que um eventual prosseguimento das discussões possa basear-se nos fatos tal qual estes ocorreram.
 
Ficamos surpresos com a repercussão que teve o caso e julgamos válido e pertinente o debate, que mostra o engajamento e a preocupação com os rumos da política em nosso país. Convidamos a todos/as a contribuir à reflexão no evento « La dictature militaire au Brésil : images, récits et cinéma », em breve com data e local confirmados.